Retardantes de chama bromados não estão impedindo a reciclagem de plásticos REEE, diz novo estudo

BSEF, The International Bromine Council, divulgou no dia 18 deste mês um relatório abrangente sobre fluxos de plástico de resíduos de equipamentos elétricos e eletrônicos (REEE ou WEEE, na sigla em Inglês)e esforços de reciclagem na Europa. O relatório, elaborado pela renomada consultoria SOFIES, aborda exclusivamente as percepções errôneas sobre o impacto dos retardantes de chama bromados (BFRs) na reciclagem de plásticos de REEE e apresenta os sucessos e desafios abrangentes em tornar os fluxos de plásticos de REEE mais circulares.

Equipamentos eletrônicos e elétricos usam plásticos para tornar os produtos mais leves, inovadores e econômicos. Os componentes de plástico são inerentemente combustíveis e precisam ser protegidos da ignição. Retardantes de chama bromados são frequentemente usados ​​em plásticos para atender aos padrões de segurança contra incêndio e proteger os consumidores de incêndios acidentais. Retardantes de chama bromados são o grupo mais eficiente de produtos químicos, pois podem ser usados ​​em muitos plásticos, oferecendo um alto grau de desempenho e opções de design.

PRINCIPAIS CONCLUSÕES
Aproximadamente 2,6 milhões de toneladas de plásticos de REEE são gerados anualmente na Europa; plásticos contendo retardantes de chama bromados representam cerca de 9% desse total.
• Cerca de metade de todos os plásticos de REEE gerados na Europa não entram nos canais oficiais de coleta de REEE, terminando na lixeira, processados ​​em instalações de reciclagem abaixo do padrão ou exportados para fora da Europa.
• Em média, 55% dos plásticos de REEE que entram em instalações especializadas de reciclagem de plásticos REEE são efetivamente reciclados, ou seja, transformados em plásticos RPC (Reciclados Pós-consumo) que podem ser usados ​​na fabricação de novos produtos plásticos.
Retardantes de chama bromados restritos (por exemplo, Octa-BDE e Deca-BDE) representam apenas uma fração pequena e em rápido declínio de todos os BFRs encontrados em fluxos de plástico de REEE, refletindo a restrição do uso dessas substâncias por mais de uma década (2003 para Octa-BDE, 2008 para Deca-BDE).
A presença de BFRs em plásticos REEE não reduz os rendimentos de reciclagem mais do que outros retardantes de chama, pois os plásticos que contêm retardantes de chama, bem como os plásticos que contêm outros aditivos em cargas significativas (por exemplo, enchimentos), são separados durante o processo de reciclagem convencional baseado em densidade.

Acolhendo o relatório e suas conclusões, a Home Appliance Europe (APPLiA), a voz da indústria de eletrodomésticos na Europa, comentou: “garantir a segurança do consumidor é a prioridade número um do setor de eletrodomésticos. Então, o nível de circularidade que podemos alcançar ao reciclar produtos é uma questão de melhorar e trabalhar em conjunto com outros atores da cadeia de valor para garantir que possibilitemos um maior grau de circularidade, mantendo o que, para nós, é extremamente importante: a segurança do consumidor”.

EERA, a associação dos Recicladores de Eletrônicos na Europa, também deu as boas-vindas ao relatório, observando que suas descobertas confirmam as experiências reais de prática de reciclagem na UE. EERA acrescentou: “A indústria de reciclagem de REEE aprendeu perfeitamente bem como lidar com retardantes de chama bromados. Os plásticos reciclados pós-consumo em conformidade com os regulamentos REACH, RoHS e POP podem ser produzidos a partir da mistura complexa de plásticos de REEE e esses plásticos RPC podem ser reutilizados em novos aparelhos. Os problemas relacionados aos retardantes de chama bromados mais antigos e restritos, como este estudo mostra claramente, estão desaparecendo rapidamente ”.

No entanto, a EERA alertou que o progresso alcançado até o momento não será ajudado por uma redução adicional dos limiares para retardantes de chama bromados restritos. “A Diretiva REEE exige que separemos todos os retardantes de chama bromados, sejam eles restritos ou não. Contamos com a triagem do elemento bromo para conseguir isso de maneira econômica. No entanto, agora estamos filtrando plásticos mais úteis com retardantes de chama bromados não restritos do que com os antigos retardantes de chama bromados”, observaram.

O Dr. Kevin Bradley, Secretário Geral do International Bromine Council, BSEF, destacou: “este relatório mostra claramente que os retardantes de chama bromados restritos são um componente em rápido declínio do total de retardantes de chama bromados em plásticos de REEE, demonstrando a eficácia das restrições RoHS”, observou ele. “Os legisladores precisam se concentrar nas questões centrais aqui, a saber, o volume substancial de plásticos de REEE que está saindo da Europa e tratados de forma abaixo do padrão, bem como procurando soluções para reciclar mais da fração de alto aditivo de plásticos de REEE “, ele adicionou. O relatório contém recomendações importantes para formuladores de políticas, produtores e recicladores de equipamentos elétricos e eletrônicos. Com a Comissão Europeia trabalhando em uma proposta de “Iniciativa Circular de Eletrônicos”, estas recomendações merecem consideração e inclusão nesta iniciativa.

O relatório completo do SOFIES pode ser encontrado neste link.