BSEF responde ao posicionamento “Retardantes de Chama tóxicos não desejados impedem economia circular e aumentam a toxicidade das chamas”, da Aliança por Mobiliário Sem Retardantes de Chama

Histórico

Em 15 de abril de 2020, a Aliança por Mobiliário Sem Retardantes de Chama (Alliance for Flame Retardant Free Furniture, em seu nome original), publicou um posicionamento intitulado “Retardantes de Chama tóxicos não desejados impedem economia circular e aumentam a toxicidade das chamas”. A Aliança afirma que os retardantes de chama são desnecessários, não desejados, tóxicos e responsáveis por evitar a economia circular e as metas climáticas. Estas alegações não têm fundamento e não são sustentadas objetivamente no posicionamento.

Observações Gerais

A afirmação “retardantes de chama são uma prática histórica, tóxica, perigosa e inefetiva” mostra o baixo conhecimento dos benefícios comprovados dos retardantes de chama ao longo da história e sua eficácia como proteção ao fogo na sociedade.

Retardantes de chamas são substâncias que mudam a natureza combustível de materiais plásticos, tornando-os mais resistentes à ignição. Na maioria dos produtos, eles evitam o início de incêndios – sem ignição, sem incêndio. Eles também atrasam significativamente as chamas e o desenvolvimento do fogo, salvando vidas em residências e edifícios ao aumentar o tempo que os ocupantes têm para fugir até a chegada dos bombeiros. É importante entender que o termo “retardante de chama” se refere ao seu papel funcional e não à química – há vários tipos de redardantes de chamas e a escolha de qualquer design de produto une desempenho e segurança em todas as esferas. Eles fornecem uma primeira camada essencial na estratégia de minimização de incêndios e seu valor não deve ser desconsiderado. Os comentários e refutações a seguir dizem respeito a alegações específicas feitas em seções do posicionamento da Aliança.

Mobiliário e a Economia Circular

Os retardantes de chamas não estão impedindo a “circularidade” no setor de móveis. Os móveis são uma mistura complexa de materiais que cria desafios substanciais quando se trata de tratamento e reciclagem no final da vida útil. A miríade de designs de produtos, tipos de tecidos e espumas de acolchoamento usados ​​nos móveis são o desafio, não os aditivos usados ​​para tornar esses produtos à prova de fogo.

De acordo com um relatório encomendado pelo European Environmental Bureau (EEB) em 2017 [2]: “As informações sobre o tratamento em fim de vida útil de móveis são limitadas. As evidências sugerem que, ao chegar ao fim de sua vida útil, a maior parte dos móveis é destinada a aterros. De acordo com as estatísticas da Federação Europeia de Fabricantes de Móveis (UEA), 80% a 90% dos resíduos de móveis da UE em RSU são incinerados ou enviados para aterros, com ~10% reciclados”.

O relatório prosseguiu observando que “a mudança de móveis de madeira e metal sólidos para plásticos, aglomerados e painéis de fibra de média densidade (MDF) mais baratos, particularmente em móveis de embalagem plana, restringe o potencial de uma segunda vida bem-sucedida, pois os produtos são frequentemente insuficientemente robustos para serem movidos facilmente. Além disso, os produtos muitas vezes não são projetados para desmontagem e remontagem ou reconfiguração”. Ele também observou: “certos fluxos de resíduos, incluindo colchões, representam problemas específicos para os municípios, sem incentivos para coletar esses itens separadamente e altos custos de reprocessamento: nem os operadores de aterros sanitários, nem os fornecedores de instalações de tratamento estão especialmente ansiosos para receber colchões inteiros”.

Finalmente, o relatório observou que uma falta geral de responsabilidade do produtor significa que há pouco incentivo para reciclar móveis ou para criar oportunidades para uma maior reforma ou reutilização. Levando em consideração todos esses desafios para a circularidade do setor de móveis, identificar retardantes de chama como um problema significativo é injustificado.

A BSEF reconhece que resíduos volumosos, como móveis, são um grande desafio da EU e que devem ser abordados no contexto do Plano de Ação da Economia Circular da UE. O BSEF acrescenta que a Comissão está atualmente financiando um projeto Horizon 2020 – URBANREC [3] – para encontrar uma solução para este problema. O projeto envolve participantes de seis estados membros da UE, incluindo Alemanha, Espanha, Bélgica, Polônia, Portugal e França. Seu objetivo é ajudar a UE a atingir a meta de 82% de reciclagem de resíduos volumosos, incluindo móveis. A BSEF observa que a Confederação Europeia da Indústria de Móveis (EFIC), membro da Alliance for Flame Retardant Free Furniture, não parece estar envolvida ou ser membro dessa importante iniciativa.

Retardantes de chama tóxicos e efeitos na saúde

Os retardantes de chama possuem uma ampla gama de produtos químicos, que agem de maneiras diferentes, com base na química e em sua aplicação final. A segurança química em produtos é domínio dos reguladores químicos e, graças ao Regulamento REACH da UE, todos os produtos químicos produzidos na Europa acima de uma tonelada por ano passam por extensas pesquisas e testes para garantir sua segurança no uso. O registro no REACH é um pré-requisito para colocar um novo retardante de chama químico no mercado. O registro inclui um Relatório de Segurança Química (CSR) detalhado que permite às autoridades avaliar a segurança dos produtos químicos para os usos pretendidos. A supervisão do Regulamento REACH é feita através da Agência Europeia de Produtos Químicos (ECHA), bem como das autoridades competentes dos estados membros.

Os produtos químicos registrados no REACH são regularmente priorizados e revisados ​​como parte do processo de avaliação do REACH. Com base nas evidências científicas de tais análises, ações são tomadas para gerenciar seu risco potencial. Quando uma preocupação é destacada, uma avaliação completa é realizada, o que pode levar, em alguns casos, à sua restrição em aplicações específicas ou mesmo à sua eliminação total se for provado que são substâncias que suscitam elevada preocupação (SVHC). A mera presença de retardantes de chama (ou outros produtos químicos) não significa que a exposição resultará em danos. O próprio site da Agência Europeia de Produtos Químicos (ECHA) observa que “o fato de um artigo conter um SVHC não significa necessariamente que os consumidores estejam expostos a ele ou que haja um risco para os consumidores”.

Finalmente, a segurança do consumidor é um princípio fundamental para toda a cadeia de suprimentos de móveis. Isso inclui produtores de retardantes de chama, tanto no que diz respeito à segurança contra incêndio quanto à segurança química. Gerenciar e reduzir o risco é a chave para atender às demandas da sociedade. Apesar dos rígidos requisitos regulatórios, a indústria está constantemente inovando para atender às demandas dos clientes e consumidores no desenvolvimento de novos retardantes de chama. As tendências emergentes na indústria de retardantes de chama incluem produtos químicos que podem atender às necessidades de uma economia circular e produtos químicos, totalmente integrados em espumas e tecidos e químicos que atendem a avaliações robustas de terceiros, como a certificação oeko-tex.

Retardantes de chama tóxicos e a segurança contra incêndio – Toxicidade do fogo

Os móveis representam a maior carga de combustível em uma casa moderna. Normas de segurança contra incêndio robustas para esses produtos consideram os eventos de ignição mais prováveis, como fumaça ou ignição aberta, como queima de papéis, aquecedores de ambiente, etc. Para esses eventos, os retardantes de chama impedem muitos incêndios, pois são usados ​​principalmente para interromper a ignição de espumas e plásticos combustíveis usados ​​em móveis. Se não houver ignição, não há fogo. Se não houver fogo, não há fumaça. Se não houver fumaça, não haverá toxicidade pela fumaça. No entanto, algumas situações de ignição, outros itens da sala em chamas, por exemplo, são mais significativos e, portanto, um incêndio ainda pode se desenvolver mesmo em produtos com retardamento de chama. Nesses cenários, os retardantes de chama ainda fornecem um valor imenso, pois retardam o desenvolvimento desses incêndios. Isso dá tempo para que as pessoas escapem do perigo e também dá aos bombeiros mais tempo para intervir.

Os incêndios envolvendo móveis desenvolvem-se de forma extremamente rápida e a fumaça dos incêndios em móveis é sempre tóxica. A toxicidade da fumaça é uma discussão complicada, mas resumindo, toda a fumaça é tóxica. Do ponto de vista da segurança pública, a toxicidade da fumaça geralmente fica em segundo plano em relação ao objetivo principal de reduzir a probabilidade e o número de incêndios e permitir cenários de fuga naqueles que acontecem – salvar pessoas e propriedades.

O desenvolvimento de fumaça de produtos queimados também é uma dinâmica importante relacionada à resposta de combate a incêndios e exposições repetidas. Os retardantes de chama não tornam a fumaça dos fogões de móveis mais tóxica para os residentes ou bombeiros. A fumaça contém vários componentes e gases tóxicos, dependendo dos materiais consumidos. Pesquisas recentes [4] descobriram que a fumaça produzida em uma sala em chamas de sofás do Reino Unido (cujo conteúdo foi tratado com retardantes de chama químicos) na verdade produziu fumaça menos tóxica com base nas emissões de HCN e CO, em comparação com sofás franceses e americanos. O tempo até que esses gases atingissem níveis tóxicos também foi atrasado em 15 minutos, o que permitiria que os moradores deixassem o prédio e os bombeiros combatessem o incêndio antes que ele atingisse níveis de toxicidade mais elevados. Móveis franceses e americanos usados ​​neste estudo geraram 1200 e 1600 ppm para HCN em apenas 6 minutos, que são níveis letais.

O documento da Aliança refere-se ao estudo acima. A entidade afirma estar “preocupada” com tais estudos e, em seguida, tenta desacreditar o trabalho usando comentários de um cientista da Universidade da Califórnia, Berkeley. Entre outras afirmações errôneas, está a crítica feita ao tamanho não científico da sala. No estudo de pesquisa real, uma sala padrão ISO 9705 foi usada para comparabilidade dos resultados para o crescimento do fogo e outros fatores. Isso também foi feito para reduzir o número de variáveis ​​em testes que o cientista usado pela Aliança cita. Além disso, o estudo foi validado pela publicação do trabalho em um periódico revisado por pares.

Parece que as opiniões dos cientistas da Aliança não foram publicadas ou revisadas por pares, como tais, são opiniões e não devem ser citadas como oficiais. Finalmente, o documento de posição da Aliança gostaria de convencer o leitor de que as normas que tratam somente de ignição lenta são suficientes para proteção contra incêndio. Blais et. Al (2019, op.cit) indica claramente que esse não é o caso. A ignição por chama aberta ainda é um perigo e as normas atuais na Califórnia e na França (a maioria da UE) são insuficientes. Os resultados apresentados no artigo de Blais et al (2019) são, na verdade, ainda mais apoiados por uma revisão publicada recentemente sobre a regulamentação de segurança contra incêndio em móveis na Europa [5].

A Aliança cita o trabalho de McKenna e Hull [6] – “Retardantes de chama em móveis do Reino Unido aumentam a toxicidade da fumaça mais do que reduzem a taxa de crescimento do fogo” – para apoiar sua afirmação de que os retardantes de chama aumentam a toxicidade da fumaça ou do fogo. Este artigo foi amplamente criticado pelos principais cientistas que estudam o fogo, incluindo o Dr. Alexander Morgan [7] da Universidade de Dayton. Sua conclusão sobre este trabalho é pertinente, considerando a confiança que a Aliança deposita em seu trabalho para apoiar suas afirmações:

“Para concluir, o título não é apoiado pelos dados porque os experimentos em escala real não são confiáveis. Além disso, o título é enganoso e é exatamente o tipo de título que mina a credibilidade dos cientistas em todos os lugares. Chama a atenção, mas não é sustentado pelos dados, confundindo o público e deixando-o desconfiado de nosso trabalho. As conclusões dos dados do calorímetro cônico são sólidas, assim como o conceito de testar colchões reais de composição conhecida, mas o trabalho deve ser retirado, testado de novo em condições controladas e apresentado novamente”.

Soluções de segurança contra incêndio não tóxicas

No que diz respeito às soluções alternativas de segurança contra incêndio propostas pela Aliança, nenhuma das indicadas cumpre os rigorosos requisitos de segurança contra incêndio existentes para móveis. Na verdade, a Aliança sugere a eliminação dos retardantes de chama, as normas de segurança contra incêndio de móveis teriam que ser comprometidos, ou seja, efetivamente reduzidos.

É importante notar que nenhuma norma de segurança contra incêndio para móveis em qualquer lugar do mundo exige o uso de retardantes de chama. As normas são baseadas no desempenho. Os materiais e produtos são necessários para atender aos níveis de desempenho de segurança contra incêndio, proporcionais ao uso pretendido ao longo da vida útil do produto. Por fim, são desenvolvidas normas de segurança contra incêndio com o objetivo de proteger a vida e limitar os danos materiais. A conformidade com os padrões de segurança contra incêndio mantém as pessoas seguras em suas casas e evita danos ao edifício e ao conteúdo.

Conclusões

A acusação da Aliança por Mobiliário Sem Retardantes de Chama de que os retardantes de chama estão evitando a circularidade da mobília é falsa. Da mesma forma, a afirmação de que eles aumentam a toxicidade do fogo também é falsa. A indústria do mobiliário europeia, tanto a EFIC (Confederação Europeia da Indústria do Mobiliário) como a UEA (Federação Europeia dos Fabricantes de Móveis), têm um desafio importante em mãos no que diz respeito ao tratamento em fim de vida útil dos móveis e vemos sinais encorajadores de que as soluções são e serão encontradas para possibilitar maior reaproveitamento, reparabilidade e reciclagem de móveis.

A segurança contra incêndios é um atributo fundamental da segurança pública em geral. Os incêndios em móveis são excepcionalmente perigosos e os produtos colocados no mercado na UE devem cumprir os mais elevados padrões de desempenho possíveis. Esse deve ser o objetivo. Os retardantes de chama são soluções de design importantes para fabricantes de móveis. Seu papel funcional – retardar a ignição e evitar a propagação do fogo – é amplamente reconhecido por engenheiros de incêndio, gerentes de segurança pública e fabricantes. As preocupações com substâncias específicas e seu impacto na saúde humana ou no meio ambiente são tratadas de forma muito eficaz por meio de regulamentação e revisão química estrita. Deve-se evitar a negociação de riscos entre produtos químicos e segurança contra incêndio.

[1]https://safefurniture.eu/press/15-april-2020-press-release-unwanted-toxic-flame-retardants-preventing-circularity-and-increasing-fire-toxicity/

[2] Eunomia, 2017. Circular Economy Opportunities in the Furniture Sector. Report on behalf of the European Environmental Bureau.

[3] URBANREC. New approaches for the valorisation of urban bulky waste into high value added recycled products. European Commission, H2020 – https://urbanrec-project.eu/

[4] Blais, M., Carpenter, K, and Fernandez, K. (2019). Fire Technology.  https://doi.org/10.1007/s10694-019-00888-8

[5] Guillaume E, de Feijter R, van Gelderen L.  An overview and experimental analysis of furniture fire safety regulations in Europe. Fire and Materials. 2020;1–16. https://doi.org/10.1002/fam.2826

[6] McKenna, S., Birtles, R., Dickens, K., Walker, R., Spearpoint, M. and Stec, A. (2018). Flame Retardants in UK furniture increase smoke toxicity more then they reduce fire growth rate. Chemosphere, 2018, 196, 429-439.

[7] Morgan, A. (2018) “Response by Dr. Alexander Morgan to “Flame retardants in UK furniture increase smoke toxicity more than they reduce fire growth rate – Chemosphere 2018, 196, 429-439”Editorial, Fire Science & Technology Bulletin, March, 2018. Publishers, Hirschler & Grayson.MEDIA CONTACT